Ombro deslocado: 5 coisas que você precisa saber sobre a luxação de ombro

Ombro

Consideramos que um ombro está luxado quando ocorre a perda do contato entre o úmero e a glenoide escapular. Essa condição também é popularmente conhecida como “ombro deslocado”.

 

Nesse artigo você poderá conferir as causas, os sintomas, o diagnóstico e o tratamento dessa condição.

 

1. CAUSAS

 

A luxação de ombro frequentemente advém de um trauma sofrido na região, seja por impacto ou movimento brusco que force o mecanismo de tração e torção da articulação.

 

Quem pratica esportes como levantamento de peso e handball estão mais propensos a sofrer com episódios de deslocamento dessa estrutura.

 

2. SINTOMAS

 

Dor intensa e mudança na aparência do ombro são os principais sintomas dessa luxação. A função do ombro também fica prejudicada, tanto pela dor, quanto pelo deslocamento das estruturas internas.

 

3. DIAGNÓSTICO

 

Radiografia e ressonância magnética, são utilizadas para verificar a gravidade da lesão, já que a olhos nus já é possível notar o deslocamento, na maioria das incidências.

Os exames de imagem são imprescindíveis para que toda a região seja avaliada. Isso porque em alguns casos, as luxações vasculares e nervosas podem estar associadas.

 

4. TRATAMENTO

 

Depois de avaliar possíveis lesões associadas, o tratamento se dá com a redução do membro, nome dado à manobra que volta o ombro para o lugar. Ela deve ser realizada sempre por um ortopedista.

 

Assim que essa manobra é realizada, em questão de segundos, a articulação deve ser imobilizada e o paciente terá de fazer uso de compressas frias, anti-inflamatórios e analgésicos, durante a recuperação.

 

Por volta de três semanas após a redução do ombro, o paciente será liberado para a fisioterapia, que entra nesse processo, visando o fortalecimento da articulação e a recuperação dos movimentos.

 

Quando a luxação é muito forte e está associada a lesões em outras estruturas da articulação, a cirurgia pode ser indicada para que o ombro volte para o lugar.

 

O tratamento cirúrgico também é indicado em casos de recidivas desse tipo de lesão. A cirurgia, que pode ser feita com técnicas minimamente invasivas como a artroscopia, visa reparar e ligar as estruturas, devolvendo a estabilidade do ombro.

 

5. ATENÇÃO PARA AS RECIDIVAS (REINCIDÊNCIAS)

 

Estima-se que quando o primeiro episódio de luxação acontece antes dos 30 anos, as taxas de recidivas, ou seja, do seu ombro se deslocar novamente, são superiores a 50%.

 

No entanto, independentemente de estimativas, é importante informar que quanto mais recidivas, maiores são as chances da indicação de cirurgia.

 

Se você já passou por um episódio de luxação de ombro, fique sempre atento e busque fortalecer essa articulação, com acompanhamento profissional.

 

Se isso ocorre com frequência, converse com o seu ortopedista sobre a necessidade de cirurgia.

 

Dr. Rogério Amaral – Cirurgião Ortopedista especialista em ombro, quadril e tumor ósseo. | CRM-GO 7296 | RQE 3723

www.instagram.com/drrogerioamaral